login:      senha:

A+ | A-


Ninguém é neutro: o novo perfil do profissional de comunicação

Publicado em 20/10/2008


Ninguém é neutro: o novo perfil do profissional de comunicação

Regina Migliori

 

A ação de comunicação não pode se reduzir à informação sobre os fatos. Até porque este tipo de ação totalmente isenta de posicionamento pessoal não existe.

A comunicação é sempre pessoal. Consciente ou inconscientemente, reflete o que a pessoa pensa, sente e acredita. Resulta de atos de intencionalidade, interpretações, escolhas, decisões, inovações. Não há neutralidade. É nessa esteira que se formata o posicionamento da imprensa, vinculando comunicação, conhecimento e seus  impactos sobre a realidade.

O perfil do profissional de comunicação inclui um novo conjunto de competências.  É ele que vê o que muitos também viram e pensa o que ninguém pensou. Transforma o fato, a informação, o fenômeno evidente em um fenômeno surpreendente. É assim que o jornalista e todos os comunicadores produzem conhecimento e inovação, fruto da diferença entre o conhecido e o conhecível. Mas para ver além do que todos viram é preciso ter uma nova percepção sobre a realidade.

Trata-se de uma perspectiva nitidamente diferente daquela que descreve um mundo sem sujeito, onde não há lugar para uma interação inteligente entre os fatos e seu observador. Onde não existe alguém que sente e pensa algo sobre o que comunica. Não se pode confundir objetividade com neutralidade. Ninguém é neutro. Portanto não há isenção de responsabilidade pelo que se comunica e pelos impactos que se pode causar. O profissional de comunicação formata mentes, conduz o olhar da sociedade, chama a atenção para o que ele mesmo considera relevante, estimula medos ou entusiasmos, constrói ou destrói identidades e esperanças. Aliado à tecnonogia e aos meios de comunicação, faz isso tudo com muita velocidade. 

Quem assume o mundo somente como realidade material composta por fatos e evidências objetivas, não leva em conta os encaminhamentos da própria inteligência. Reduz o ser humano a uma máquina que registra e informa os fatos. Mas se existe algo que o computador não tem, é iniciativa e responsabilidade.

Quem pretende representar o mundo como um fenômeno totalmente objetivo, sem nenhum posicionamento subjetivo, exclui toda a esfera ética. Uma visão materialista exclui os conceitos de bem e de mal, e isenta o indivíduo de responsabilidade sobre suas ações. É muito cômodo se comportar como alguém que meramente descreve a realidade com isenção.

A ação de comunicação não é neutra nem isenta. Ela reflete não só a informação, mas vem carregada daquilo que o autor pensa, sente e acredita.  Diante disso, é preciso rever as dimensões de responsabilidade da comunicação. As pessoas têm o direito de acesso à informação. Mas o profissional de comunicação é responsável pelo tipo de informação que divulga, pela forma como compõe suas idéias fundamentadas em suas próprias convicções, e portanto é também responsável pelos impactos que provoca na realidade.

Cai por terra uma isenção que não existe. Um perfil de profissional que se esconde por traz de uma pseudo-neutralidade, posicionando-se somente como aquele que cumpre seu dever ao informar os fatos, sem nenhum vínculo com eles ou com os impactos que essa divulgação possa vir a provocar.

A informação não é invulnerável às transformações. Ela será aquilo que profissional de comunicação fizer dela.

 



CopyleftCopyleft - é livre a reprodução exclusivamente para fins não comerciais, desde que o autor e a fonte sejam citados e esta nota seja incluída.


INCLUIR COMENTÁRIOS:




COMENTÁRIOS

Vanessa Aguiar ()

Vanessa Aguiar 21/10/2008 12:15:50 Num momento em que a imprensa transforma o sequestro de duas meninas em espetáculo de mídia, quando não faz muito tempo uma menina jogada da janela pelo pai era notícia online, ontime (até que outro escândalo/tragédia/crise de valores desviasse o foco), é urgente lembrar que Nós somos essencialmente profissionais de COMUNICAÇÃO SOCIAL. E não dá mais para não praticarmos uma COMUNICAÇÃO com RESPONSABILIDADE SOCIAL. Parabéns pelo artigo, Regina!





PARCEIROS

Plurale Eco Business Nós da Comunicação UMApaz Mercado Ético
busca







Memória com afeto
Autora do livro "Neurociência e Educação" diz que o cérebro registra melhor informações quando elas tem algum significado ou propósito. Descoberta dá nova direção ao tratamento de doenças como Alzheimer.

confira na íntegra »
RECEBA NOSSA NEWSLETTER
Informe seu e-mail para receber nossas novidades:

E-Mail:




dialética