Não tem milagre!

09/11/2017 • Regina Migliori

Recebi essa pergunta de um instrutor:

“Acabei de fazer uma prática muito curtinha com os alunos, para acalma-los antes da prova que estão realizando neste momento.  Um deles ficou caindo de sono depois da prática!! Não era a minha intenção deixar o aluno com tanto sono para realizar a prova!!”

 

Resposta:

Imagine que você tem uma doença crônica e começa a tomar um remédio. O efeito não será imediato. Talvez, algumas pessoas sintam uma leve melhora. Para outras, o efeito do remédio só virá depois de algumas doses. A mesma coisa acontece com a meditação. Não imaginem que alguém, que nunca meditou, irá experimentar e perceber todos os efeitos com uma única prática. Meditação não é paliativo para ficar calmo. Cuidado com essas propostas milagrosas, prometendo para pessoas que nunca meditaram, que essa experiência será um remédio imediato para seus males.

Meditar requer treino. É um antídoto muito eficaz para os condicionamentos da mente, para o piloto automático, para os venenos mentais, as emoções aflitivas, mas seu efeito requer disciplina e treino.

Pode-se aprender um exercício para aplicar nos momentos de desequilíbrio, aprendendo a focar na respiração, e rapidamente alterar seu ritmo, de forma lenta e estável, e com isso acalmar momentaneamente o corpo e a mente. Digamos que este é um atendimento de urgência. Depois disso é que vem o tratamento, com as práticas da meditação e um treino disciplinado. Só assim é que o efeito benéfico se sustenta.

É por isso que a metodologia do MindEduca inclui técnicas de meditação e também práticas de comportamento externalizado, pois para diferentes circunstâncias, é preciso aplicar diferentes abordagens. 

Regina Migliori




[voltar]