Tecnologia a serviço do consumo

19/06/2008 • Regina Migliori
São Paulo, 19 de junho de 2008 – A empresa norte-americana EmSense divulgou, recentemente, o aperfeiçoamento de uma tecnologia que promete alcançar um nível de eficácia e de confiança sem precedentes para ser utilizado, por exemplo, para economizar dinheiro àqueles que pretendem lançar algum produto no mercado. A tecnologia de ponta que combina a mensuração da atividade cerebral com uma série de cálculos que permitem conhecer, a fundo, as reações dos indivíduos à propaganda, aos videogames e as campanhas políticas. É o chamado neuromarketing sendo aplicado ao mundo real.

Segundo Regina Migliori, diretora da consultoria Migliori, a utilização deste tipo de tecnologia pelas áreas de comunicação deve acender uma luz de alerta aos profissionais e empresas envolvidas. “Estamos diante de um avanço que nos permite ter acesso ao cérebro das pessoas e, a partir daí, poderemos manipular para a direção que desejarmos”, afirma.

Para a consultora, a preocupação e o desafio da comunicação será em torno das discussões sobre responsabilidade, ética e valores na utilização desta ferramenta. “A comunicação já é responsável por criar as redes neurais, ou seja, o fluxo de pensamento dos indivíduos, tanto para o bem quanto para o mal, e agora temos uma ferramenta específica para monitorar isso”, explica.

O Neuromarketing é um novo campo do marketing, que utiliza tecnologias ligadas à medicina, como por exemplo, a ressonância magnética, para estudar as respostas do cérebro numa simulação de marketing.

Regina Migliori possui conhecimento nas áreas de comunicação, educação, recursos humanos e é fonte para discussões, principalmente, do uso das novas tecnologias da neurociência que influenciam a educação, propaganda, marketing, economia e outras.

Por atuar em todo o Brasil desenvolvendo projetos para empresas dos segmentos públicos e privados, como Banco Real, Grupo Votorantim, Vale, Petrobras, Natura, Ministério da Educação, Governos dos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, entre outros, a consultora também pode disponibilizar informações práticas (cases) para completar as informações.




[voltar]